O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

quarta-feira, agosto 31, 2005

Soprou ao balão e acusou 2,50 g/l de álcool

Um electricista, de 24 anos, morador no Porto, foi apanhado com uma taxa proibitiva de álcool no sangue, anteontem à noite, quando conduzia um carro na Avenida da Boavista, naquela cidade.
O jovem conduzia um Honda e foi mandado parar por agentes da PSP que ali procediam a uma fiscalização de rotina.
Ao soprar ao balão , o electricista acusou 2,50 gramas por litro de álcool no sangue. A lei determina que quem for apanhado a conduzir com uma taxa igual ou superior a 1,20 g/l deve ser detido. Como é habitual nestes casos, o condutor foi notificado que não poderia conduzir por um período de 12 horas e para comparecer no Tribunal de Pequena Instância Criminal do Porto.

Manuela Pinto

3 Comments:

  • At 01 setembro, 2005 14:43, Blogger Teófilo M. said…

    Porque é que não foi detido?

     
  • At 01 setembro, 2005 17:33, Blogger Sónia said…

    Infelizmente a polícia agora nem se dá ao trabalho de cumprir com as leis. É vergonhoso... Em primeiro lugar se ele estava inibido de conduzir por 12 horas quem será que o levou dalí pra casa, terá sido ele na mesma? Se foi, é o esperado da polícia em portugal. Se foi um conhecido dele, menos mal! Depois a polícia não o vai deter pk lhes dá mto jeito ele ir a tribunal, ficar uns meses sem carta e no fim pagar uma multa de mais de 600 euros. Cada vez estamos pior!!!

     
  • At 01 setembro, 2005 20:04, Blogger Francisco Manuel said…

    Porque, este tipo de crime, punivel com penas até três anos de prisão, não permite a detenção. Apenas a sua notificação para apresentação no Tribunal no primeiro dia útil.

     

Enviar um comentário

<< Home