O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

quinta-feira, setembro 08, 2005

Hipocrisias, mentiras e ingenuidades

Ponto prévio: para que não sobrem dúvidas a partir de hoje, não irei fazer parte de nenhuma cooperativa. Assumo-o para que possa debater aqui, com o maior à vontade possível, tudo aquilo que meia-dúzia de ex-colegas do COMÉRCIO andam a fazer em nome do jornal onde trabalharam, aproveitando-se desse facto e menosprezando, com a arrogância de quem não sabe e de quem tem medo para excluir os restantes colegas de um projecto a quem deram o nome de Alternativa. Desta forma, tudo o que disser não será lido como incoerência ou desespero por não ter emprego à vista. Felizmente, tenho! Tenho é tempo para escolher.
1 - A propósito da cronologia: faltam dados, faltam datas e, apesar do rigor do enunciado - um louvor ao Zé Carlos, pois era assim que trabalhava - esqueceu-se de um pormenor importante, para quem faz cronologias, sejam elas jornalísticas, sejam históricas. Ouvir e perceber o outro lado. A História positivista foi abandonada há mais de um século, portanto, cronologias qualquer pessoa sabe fazê-las. Permanece a pegunta que não tem tido resposta: Por que razão o projecto para o COMÉRCIO está a ser elaborado apenas por meia-dúzia de elementos pouco ligados ao coração do jornal? E porque não se alarga, como prometeu o silêncio dos "dinamizadores", o grupo de trabalho, como propôs o presidente do Sindicato dos Jornalistas na reunião em que vocês não sabiam sequer o que estavam ali a fazer, quando a deviam estar a dirigir? Por que razão excluem os vossos colegas do projecto que arrogam ser para o COMÉRCIO e para os trabalhadores do COMÉRCIO? São assim tão excelentes que nem admitem interferências de mentes menores? Ou é uma mentira tão grande como é real o facto de estarem a convidar uma "proto-cooperativa" de existência contínua há quase 20 anos (sim, eu ainda vou ficar calado em relação a isso, mas vocês começam a saber o que eu sei...)?
2 - A arrogância é inimiga do labor. Por isso, os dinamizadores (aqui sem aspas, porque de facto avançaram) não devem achar que os antigos colegas devem ir pedinchar a participação depois de terem aparecido num encontro marcado para fundar a cooperativa, para aprovar estatutos e eleger a mesa da assembleia constitutiva. A mentira vingou por métodos burocráticos, típicos de pequenos rebentos estalinistas, que enganaram os presentes, ao adiar os pontos da ordem de trabalhos porque qualquer eleição naquele momento lhes era desfavorável.
Meus queridos dinamizadores: não há cronologias que valham, nem ingenuidades que desculpem. O grupo dinamizador da Alternativa está a excluir, discriminar e a querer assumir o poder de um qualquer projecto que anuncia como democrático sem submetê-lo às regras dessa mesma democracia. Portanto, se querem molho - e ainda tenho muito para dizer - façam o favor de debater onde quiserem. Nenhum de vocês vai prejudicar nenhum dos vossos antigos colegas. Era assim comigo no COMÉRCIO, será assim comigo na vida cá fora. Até já, camaradas!