O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

quinta-feira, setembro 08, 2005

GNR detém cabecilha de gang que atropelou dois guardas na Aguda

O Núcleo de Investigação Criminal (NIC) da GNR de Gaia deteve ontem um suspeito de ter atropelado dois agentes daquela força policial, durante uma fuga nas festas da Senhora da Nazaré na Aguda, no passado dia 28 e que provocou o pânico entre os populares. O suspeito já cumpriu pena por furto em automóveis, interior de garagens e assaltos à mão armada.


Francisco Manuel

Na operação desencadeada ontem pelo NIC em colaboração com o Departamento de Investigação Criminal (DIC) da PSP do Porto, foi detido o suspeito de 18 anos e identificados três dos quatro cúmplices, dois de 18 anos e um de 16 anos, residentes nos bairros sociais de Ramalde, Lapa e Regado. Foi também apreendido o Fiat Uno usado nessa fuga que é pertença da mãe do alegado cabecilha e que estava a ser reparado numa garagem no centro do Porto. Dentro do automóvel que tinha sido dado como furtado, ainda se encontrava um auto-rádio furtado de um carro em Valadares.

Os factos começaram na romaria da Senhora da Nazaré, quando os agentes da GNR tentaram interceptar o gang que na noite anterior teria sido responsável por vários furtos em interior de automóveis naquela zona.
Os suspeitos encetaram aí uma aparatosa fuga, atropelando os dois agentes da GNR, que tiveram de ser hospitalizados, provocando o pânico entre os populares quando abalroaram vários carros, e atravessando a passagem de nível que na altura se encontrava fechada, ao mesmo tempo que iam efectuando alguns disparos.

O suposto líder do gang, tinha deixado o Estabelecimento Prisional de Custóias em Julho, depois de cumprir pena por crimes de furto em automóveis, interior de garagens e assaltos à mão armada, encontrando-se ainda em liberdade condicional.

Hoje de manhã foi presente ao Tribunal de Gaia, mas, para ser ouvido, mas o Juiz de Instrução Criminal solicitou que fosse feita, uma reconstituição dos factos. Por isso só amanhã deverá ser ouvido pela autoridade judiciária que lhe deverá aplicar a respectiva medida de coação até ao julgamento.