O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

quinta-feira, setembro 08, 2005

Emigrante pagou contas de “boite” com notas falsas

A PSP de S. João da Madeira deteve ontem um emigrante que tentou pagar uma conta numa “boite” daquela cidade com notas falsas. O suspeito de 27 anos, divertiu-se toda a noite deixando na caixa mais de 3 mil euros, só que a maior parte das notas eram falsas.

Francisco Manuel

O emigrante na Suíça, abalançou-se para uma noite bem passada na companhia de mulheres e muitos copos. Desde que entrou na “boite” "Felina Bar", cerca da meia-noite, até às 5 horas, foi-se divertindo, pagando sempre cada “rodada” que pedia, deixando ainda boas gorjetas aos funcionários.

Só cerca das 5 horas, quando pagava “mais uma rodada” é que o responsável pelo estabelecimento se apercebeu que a nota que tinha na mão era falsa, e por isso chamou a polícia. Já no local, os agentes pediram para ver todo o dinheiro do caixa, e verificaram que não era uma, mas, mais cinco dezenas de notas de cinquenta que o “cliente” tinha usado para pagar as contas que ia fazendo sucessivamente. No total gastou 3.150 euros, usando para pagamento na sua grande maioria notas falsas de 50 euros.

Ontem mesmo foi presente ao Juiz de Instrução Criminal do Tribunal de S. João da Madeira a quem terá afirmado que não sabia que as notas eram falsas e que as obteve numa casa onde trocou o dinheiro suíço por notas da União Europeia.
O suspeito saiu em liberdade mediante o pagamento de uma caução de 3.500 euros.
O emigrante é mecânico, natural de Aveiro, mas actualmente está desempregado e encontrava-se a passar férias em casa de uma prima em Santiago de Riba Ul, Oliveira de Azeméis. Além do processo criminal em que incorre, o suspeito fica também com um débito de cerca de 3 mil euros no estabelecimento de diversão nocturna.

Fonte policial explicou que se trata de “uma falsificação bem elaborada”, com holograma e linha d’agua, pecando apenas pelo contraste e pelo papel que não era da melhor qualidade.

O caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária do Porto.