O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

quarta-feira, setembro 07, 2005

Cooperativa ou célula?

Depois de, a 22 de Agosto, a maior parte dos trabalhadores do COMÉRCIO DO PORTO ter demonstrado o seu inequívoco interesse em conhecer e participar no processo de constituição e fundação da cooperativa Alternativa - que se propõe comprar os títulos A CAPITAL e O COMÉRCIO DO PORTO e reabrir os jornais -, fui confrontado com algumas notícias e andamentos dos dinamizadores da mesma. Recordo que cerca de 60 colegas, na sua maior parte quadros e jornalistas do CP, foram convidados pelo presidente do Sindicato dos Jornalistas (SJ), em encontro que estava marcado para formalizar e fundar a dita cooperativa, a participar num encontro subsequente, onde seria estudado o alargamento do grupo de trabalho, tendo em conta o interesse massivo demonstrado então, em claro contraste com o conjunto reduzido dos "dinamizadores". Número aquele claramente superior ao conseguido até ao momento e, sublinhe-se, constituído por quadros do jornal, dos seus mais diversos sectores.
Perante a promessa do presidente do SJ, Alfredo Maia, de que a partir de então - e para isso nos pediram os contactos, que foram dados e mesmo, em alguns casos, acompanhados com o pagamento de 50 euros para "fundo de maneio" - o andamento da cooperativa deveria ser alargado aos interessados, estranhei o facto de, quase três semanas depois, e tendo em conta as palavras dos elementos do grupo dinamizador expressas pelo próprio presidente do SJ (que dirigiu essa reunião), não ter sido informado de quaisquer progressos, tal como todos os que naquele dia se apresentaram para esse efeito.
Estranheza que ganhou outro tipo de suspeitas, a partir do momento em que tive conhecimento da realização de duas reuniões, dias 5 e 6 do corrente mês, respectivamente no Porto e em Lisboa. Se a sul o encontro mereceu contactos alargados aos antigos trabalhadores da CAPITAL, o mesmo não se pode dizer da reunião da cooperativa no dia anterior, no Porto.
O secretismo com que o processo está a ser conduzido pelo grupo dinamizador, com a colaboração do Sindicato dos Jornalistas, é desagradável, pouco cordial, nada cortês e demasiado suspeito no que diz respeito ao interesse manifestado a 22 de Agosto, quando nos foi dito que o próximo passo - e óbvio, atendendo às circunstâncias - seria o alargamento do grupo de trabalho, tendo em conta o interesse comum do grupo dinamizador e dos quadros do CP. Tanto mais que o projecto em curso, relativo ao CP, é apresentado como sendo dinamizado pelos quadros do CP. Ora, os quadros do CP têm sido excluídos do processo, ao contrário do que acontece com os convites já formulados a jornalistas e gente da comunicação social externa ao COMÉRCIO.
Não discuto a legitimidade desses mesmos convites. Parece-me, porém, que neste processo há intenções obscuras e vontades pessoais que, a manterem-se, darão uma imagem mesquinha e de pequenez de espírito que dificilmente convencerá quaisquer investidores, quer do movimento cooperativo ou mesmo privado.
Pergunto: terão os potenciais investidores do movimento cooperativo conhecimento do andamento estranho deste processo? Saberão que a quase totalidade dos quadros do CP estão a ser excluídos e arredados do mesmo, impedidos de participar na constituição da Alternativa, por métodos cujas barbas não abonam a seu favor? Por que razão os elementos dinamizadores da cooperativa evitam responder a quaisquer questões colocadas pelos colegas? Por que razão não foram avisados, conforme o prometido, todos ou alguns dos interessados em cooperar nas reuniões de trabalho? Por que razão se dá preferência aos convites a pessoas exteriores ao COMÉRCIO quando o pressuposto, inclusive apregoado na Imprensa, é resolver o problema laboral e social dos trabalhadores que perderam o seu posto de trabalho com o encerramento do CP? O que tem a dizer o Sindicato dos Jornalistas a este propósito, atendendo ao facto de acompanhar o processo de perto desde o primeiro dia?
Afinal, com que jornalistas ou quadros se pretende reabrir o COMÉRCIO DO PORTO? Ou há bruxas?

4 Comments:

  • At 07 setembro, 2005 17:44, Blogger Destro said…

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

     
  • At 07 setembro, 2005 17:45, Blogger Destro said…

    Eu acho que ha bruxas...

     
  • At 07 setembro, 2005 20:00, Blogger Jorge said…

    antigamente, truques e manobras desse tipo eram planeados na rua de aníbal cunha. depois, tudo passa pelas células da avenida da boavista, ali ao lado do triplex...

     
  • At 07 setembro, 2005 23:44, Blogger Jorge said…

    cuidados e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém. preparem-se para algumas novidades e algumas desilusões fortes. há cumplicidades/parcerias com alguém muito bem colocado...

     

Enviar um comentário

<< Home