O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

sábado, setembro 03, 2005

Cinco Minutos de Leitura

Por António Sousa Pereira

Camélias (Museu Romântico do Porto)
Fiama Hasse Pais Brandão

Quando sofro possuo a Natureza configuro
até à exaustão o recesso da rocha
involuntariamente em que imagino
o gorjeio. Escolho repleta de camélias
a vereda sem nenhum resíduo alheio
só o das imagens da flor de lótus
vim até à muralha. É um Museu
------------------------

Romântico, no muro do musgo, no baixo-relevo
está o perfil egípcio, oiço o tenor,
o da sintonia, do regresso das expedições,
confundo o buxo das camélias com um labirinto
róseo.
-------------------------

Que figura de flor tem o sentido mais próximo
ou coevo?
O único hino, tanto o som o dissipa,
perde-se.
Era nítido o espaço rodeado pelo cedro,
Pedra corporizada,
Uma síntese no estado presente
do tempo do espírito.