O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

segunda-feira, agosto 01, 2005

Vou embora...

Meus queridos amigos, vou embora… Já ia mesmo antes de conhecer a infeliz decisão da Prensa Ibérica. Por isso, vou com o coração ainda mais apertado. Queria aproveitar este nosso provisório espaço, porque tenho a certeza que o nosso jornal vai renascer, para agradecer todo o carinho que vocês tiveram por mim durante quatro anos e meio. Vocês foram muito mais do que colegas de trabalho, muito mais do amigos, foram a minha família em Portugal. No último mês senti-me verdadeiramente querida e tudo o que eu gostaria era encontrar uma forma de agradecer a cada um… Contem comigo sempre.
Nunca pensei que um dia fosse sentir falta de alguém que me chamasse Rossí… Porque eu sou Rossi, como o Valentino. Mas vou sentir imensas saudades do BB... Ainda que muitas vezes eu tivesse que ficar até às 23h para colar um texto do Zé Pedro Gomes ou do Vítor Santos. Vou morrer de saudades do Sr. Mirandinha (como eu sempre gostei de o chamar) pedindo: "Por favor, tirem essa brasileira daqui!", Saudades das cusquices e confidências com as minhas amigas Maria João, Sónia e Joana… que sempre fizeram do Comércio um jornal "belíssimo", pelo menos aos olhos do Jaime Pacheco :-)
Saudades das risadas da João lendo e-mails… Saudades de cantar para a Joaninha a música que ela detestava . Saudades de fazer qualquer pergunta para a Soninha e escutar "SEI LÁ…" Tadinha, foi a primeira a levar comigo a chorar quando decidi regressar ao meu país… Saudades do meu amigo Miguel Pataco…dos cigarrinhos lá for a, das conversas no café e, quem diria, das neuras dele!!! Como vou sentir falta de olhar para aquela carinha do Mike num dia em que ninguém podia abrir a boca, porque ele começava a disparatar. Vou sentir saudades do Pedrinho… meu D. Juan. Sempre com beijinhos e abraços… Sempre disponível para ir ao Real comigo, mesmo sem a menor vontade de ouvir Sérgio Godinho e Jorge Palma. Incapaz de não cumprimentar todos nós, todos os dias. Saudades do Serginho… miúdo de humor refinado. Tão "riquinho", como diz a Joana. Saudades do Vitinho e o seu "ah…se foda"…Desculpa ter implicado contigo no início. Saudades do Vaz "Mednes" e toda a sua ingenuidade e coração mole. Saudades dos nossos jantares, das nossas borracheiras, dos nossos vexames nos karaokes… Também não posso esquecer do Barroso e do Bessinha… eternos chefes. Amigos até debaixo d’água, como se diz na minha terra. Do meu recente amigo Rémulo…sempre com uma palavra para confortar. Não posso esquecer sobretudo da Mirró…minha amiga de todas as horas e de todos os choros. Tenho pena de a ter conhecido melhor há pouco tempo. Mas ela sabe que vai comigo para o Brasil… vai no meu coração, como todos vocês. Vou levar uma bagagem gigante… cheia de boas lembranças. De recordações para toda a vida. Fica a minha promessa de regressar todos os anos para colher um abraço de cada um. Amo vocês e… até breve.

9 Comments:

  • At 01 agosto, 2005 15:27, Blogger Juanita said…

    Vais estar sempre nesta luta, na nossa luta...

     
  • At 01 agosto, 2005 15:30, Anonymous Rémulo said…

    Recente, mas para sempre, porque palavras de conforto só existem quando se cimentou uma ligação, uma belíssima amizade... aqui no Comércio ou em qualquer outro lugar, vais fazer muita falta...a todos nós...

     
  • At 01 agosto, 2005 15:46, Anonymous Mirró said…

    O mundo cabe na palma da tua mão. Num cantinho, aninhada, no conforto do teu calor, da tua amizade, estarei eu. Porque, como já te disse, a amizade vai de avião onde o coração nos levar. Para sempre, amiga! Para sempre amigas!

     
  • At 01 agosto, 2005 17:38, Blogger António Barroso said…

    Eu quero é que me arranjes umas amigas brasileiras para quando lá for... ;)

    AB

     
  • At 01 agosto, 2005 19:04, Anonymous Anónimo said…

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

     
  • At 01 agosto, 2005 19:43, Anonymous Olga Teixeira said…

    Com ou sem Comércio e mesmo com um mar de saudades entre nós, a «aliança luso-brasileira» continua. Assim como todas as amizades que, apesar do meu mundialmente famoso mau-feitio, fui fazendo nesse jornal. Se eu tivesse tido a sorte de ganhar o Euromilhões, vocês iam saber o que é ter uma patroa rabugenta...

     
  • At 01 agosto, 2005 20:37, Anonymous dora said…

    Caro anónimo, eu chamo-me Dora Mota, trabalhei no CP seis anos e hoje voltei lá para dar um abraçoi a quem eu achei que o ia acolher com agrado. Não sei quem és, mas és um idiota. Merece o desemprego quem não quer trabalhar. ~
    E as pessoas têm direito a ser lamechas quando acabam de saber que um jornal ao qual deram muito de si vai fechar. E quando o souberam da maneira abrupta e indigna como souberam - por outro jornal. E quando vão ficar desempregados numa conjuntura difícil para qualquer profissão.
    Os jornalistas são humanos e expressam a sua humanidade da maneira que melhor sabem. Não é obrigado a gostar nem a ler, nem tem o direito de julgar dessa maneira fria pessoas que estão a passar por um mau momento que não mereciam.
    Resumindo, vai à fava- e assino outra vez: Dora Mota, jornalista, ex-funcionária do Comércio, lamechas quando me apetece.

     
  • At 02 agosto, 2005 03:13, Blogger Guilherme Soares said…

    Boa, Dora! Posso assinar por baixo? (Ainda que pense que perder tempo com estes idiotas seja precisamente jogar o jogo deles?)

     
  • At 02 agosto, 2005 15:18, Blogger pedrojcunha said…

    Ir ao Brasil, estar contigo, com as tuas amigas...parece-me muito bem :)

     

Enviar um comentário

<< Home