O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

quarta-feira, agosto 10, 2005

Tenho Saudades

Tenho saudades, porra!

Cheguei hoje mais cedo do que costume. E eléctrica. Ainda não percebi porque os dias de chuva arrastam para as estradas gente com ar de fazer nada e carros carregados de miúdos em cinto ao colo de velhotes.

Decidi tomar café com a calma que não tem sido permitida nos últimos dias.

A redacção tem demasiadas secretárias vazias para o meu gosto. Significa que o trabalho sobra para quem cá está.

Peguei no monte de jornais que estavam na mesa do chefe e fui para a cantina. Primeiro, li o JN. Depois, dei por mim a procurar “O Comércio do Porto”. Mais uma vez. As saudades tornaram-se mais fortes. O monte de jornais não é o mesmo.

Tenho saudades, porra! Fazem-me falta os textos da Patrícia, da Ana Cristina, da Cristina, da Lígia, da Marlene, da Manuela. E de tantos outros que, embora raramente, ia encontrando por aí. São ausências que doem. As gargalhadas, as cumplicidades, os desabafos, o espírito de colaboração ficaram mais fracos. A “pica” também.

Margarida Fonseca

4 Comments:

  • At 10 agosto, 2005 15:26, Blogger Patricia Carvalho said…

    Ai, as saudades... Dão cabo de nós, não? Eu já tenho saudades de trabalhar, vê lá tu... A ver se nos vemos por aí. Beijos

     
  • At 10 agosto, 2005 15:50, Blogger cristina mota said…

    Quando o meu pai chega fico a olhar para as mãos dele a ver se trás o Comércio... era ele que mo levava quando estava de folga... As saudades são muitas, dos serviços, mesmo daqueles que eram uma valente seca, mas sobretudo das pessoas, e das pessoas como tu. Já nos conhecemos há uns anos, mulher!
    beijinhos

     
  • At 10 agosto, 2005 19:42, Blogger josevinha said…

    Pois é Margarida. A concorrência também se nota pela ausência.

     
  • At 12 agosto, 2005 18:15, Blogger Marlene Silva said…

    Margarida, o trabalho em Gaia tornou-se muito mais aliciante depois que passei a ter-te como "concorrente directa"... Mas a concorrência leal é boa e tenho saudades dela, como tenho de ti e de outros colegas do JN:da Natacha, do Nuno, do Hugo, do Reis Pinto, do Artur e de tantos outros... Beijinho

     

Enviar um comentário

<< Home