O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

terça-feira, agosto 30, 2005

Ovar: Padre agride e insulta paroquiano


Um padre de Ovar agrediu e insultou um paroquiano no final de uma missa, quando ele lhe foi pedir desculpas pelo telemóvel ter tocado durante a eucaristia. Estas situações já se repetem há algum tempo e os paroquianos estão a preparar um abaixo-assinado para o “mandar pregar para outra freguesia”.

Francisco Manuel

O Padre José Pinho, que pontualmente preside às missas na Igreja de Ovar, não gostou que o telemóvel de Joaquim Costa tocasse durante a celebração da passada sexta-feira e imediatamente mandou o sacristão confiscar o aparelho, sem que o paroquiano reagisse. No final da missa, Joaquim Costa dirigiu-se à sacristia para recuperar o telemóvel e pedir desculpas ao pároco, que imediatamente lhe terá dado dois “valentes” empurrões, contra uma mesa de pedra que ali existe, ao mesmo tempo que lhe dirigiu alguns insultos, para grande surpresa do paroquiano.

“Fiquei assustado, e pedi-lhe para respeitar o local sagrado onde estávamos, sugerindo-lhe que se quisesse continuar a conversa naqueles termos o fizesse fora da igreja”, conta Joaquim Costa. Depois de se ter libertado dos braços do padre, e já com o telemóvel na mão, a vítima saiu em direcção ao carro, mas sempre seguido pelo sacerdote “que continuou a gritar” desafiando-o para resolver o assunto pela força, o que só não aconteceu devido às várias pessoas que ali estavam.

“Não posso deixar passar esta situação em claro, porque um homem que tem uma atitude destas não tem moral para continuar a dar a palavra de Deus, e também não pode ficar impune”, afirma indignado Joaquim Costa, que já fez queixa na PSP local.

Segundo a paroquiana Maria Carvalho, já ocorrem há muito tempo e “até com uma criança o padre gritou”. “Na Base Aérea de S. Jacinto, onde era capelão, chegou a bater num militar”, afiança. Numa outra situação chegou a encostar o dedo à cara de uma senhora que “por ela ter ido reclamar uma missa do sétimo dia”, mas há muitas mais. Dizem também que o padre José Pinho “foi corrido” de várias paróquias devido ao seu feitio. Por isso os paroquianos estão a preparar um abaixo-assinado para entregar à diocese do Porto, pedindo que este padre não volte a celebrar missas em Ovar.

O Padre Manuel Bastos, responsável pela paróquia, admite que a reacção do Padre José Pinho não terá sido a mais correcta. No entanto, acredita que aquilo que se passou "não foi muito grave" e "não foi mais que umas palavras mais acaloradas". "A reacções por vezes não são as mais correctas, mas temos de desculpar, porque cada um tem o seu feitio", disse.

Já assessoria do Bispo do Porto diz que esta situação não é tolerável, mas remete para o responsável pela paróquia a resolução do caso, “porque é ele quem o convida para celebrar a missa, por isso a Diocese não tem a ver com este assunto”.
Não foi possivel até este momento falar com o padre José Pinho.

5 Comments:

  • At 31 agosto, 2005 02:05, Blogger Guilherme Soares said…

    AS hormonas têm de "sair" de alguma forma...

     
  • At 31 agosto, 2005 14:34, Blogger filinto said…

    estes gajos nunca me enganaram. cambada!

     
  • At 31 agosto, 2005 16:50, Blogger atento said…

    Viva o Padre!
    É assim mesmo; o Padre deve testar a crença dos fieis.
    Se o Joaquim Costa fosse um verdadeiro Cristão, quando o padre lhe deu um "tabefe" numa face ele oferecia a outra face para o padre dar outro, sem protestar. Não é isso que diz "O CALHAMAÇO DOS EMBUSTES"?. www.embusteiros.blogspot.com/
    Bom seria que esse padre fosse pregar em todas as freguesias,ou todos os padres, deste País fizessem o mesmo para ver quem são os verdadeiros (pacóvios) cristãos.

     
  • At 31 agosto, 2005 17:29, Blogger Teófilo M. said…

    O padre é bruto, não hajam dúvidas, mas o paroquiano também mereceu uns tabefes por se ter esquecido de respeitar o acto litúrgico a que se associava, e não me venham com esquecimentos, pois a parolice actual é andar de telemóvel ligado em tudo que é lado, como se os eus possuidores fossem todos pessoas tão importantes, que não podem estar desligadas do seu pequeno mundo durante alguns minutos.

     
  • At 21 maio, 2008 21:16, Blogger Marcio Anderson said…

    Com certeza o padre deve estava de cabeça quente mais ele deveria se pronunciar para a comunidade e logo deixar a mesma para ñ haver comentarios piores futuramentes onde a comunidade vai usar esse tipo de argumento para com o padre q pena ja se falta tanto padre no mundo e quem é esta deixando o inimigo trabalhar por tanto catolico ou cristão idependente de religião pegue na mão de Deus e ñ solte pq o mundo ñ tem nada a oferecer q preste ja Deus tem tudo de bom a nos dá creia nisso ele é o caminho a verdade e a vida idependente do padre ou qualquer ser que esteja de frente a sua comunidade.
    A paz de Cristo e o amor de Maria a todos.

     

Enviar um comentário

<< Home