O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

sexta-feira, agosto 12, 2005

Oliveira de Azeméis: Acidente mata um bombeiro e causa ferimentos muito graves em outros três

O Defender onde seguia uma equipa de cinco bombeiros dirigia-se pela terceira vez para incêndios em Palmaz, quando se despistou aparentemente por uma avaria na direcção.

Francisco Manuel

Um acidente com um veículo ligeiro de combate a incêndios dos bombeiros de Oliveira de Azeméis hoje à tarde no Lugar de Ferreirinha, na freguesia de Palmaz, vitimou mortalmente Bruno Santos, de 24 anos, condutor, enquanto o adjunto de comando Pedro Figueiredo está em estado crítico. Outros dois bombeiros estão também gravemente feridos, apenas escapando ileso Diogo Santos, irmão da vítima mortal.
“Este é um dia trágico; não há palavras; isto só pode ser um pesadelo”. Foi assim que reagiu ao COMERCIODOPORTO.BLOGSPOT.COM o comandante interino da corporação Jorge Pereira, sem conseguir esconder o embargo na voz de quem chorava a perda de um homem, e ainda sem saber qual o estado de saúde dos outros feridos.
Segundo o comandante, esta era a terceira vez, no mesmo dia, que os bombeiros de Oliveira de Azeméis se dirigiam a Nespereira, na freguesia de Palmaz para combater a chamas. “No Lugar de Ferreirinha, antes de chegar a uma curva, houve uma avaria na direcção do Land Rover Defender, que não só não conseguiu virar, como acabaria por capotar”, explicou Jorge Pereira. Segundo algumas testemunhas o jipe ficou “parecia um bolo”. A vítima mortal e o adjunto de comando Pedro Figueiredo, que se encontra em estado crítico no Hospital de Santo António, no Porto, estavam dentro da cabine, enquanto os outros feridos, Carlos Severino e Vera, que sofreram também ferimentos graves, estavam na parte de trás juntamente com Diogo Santos, conseguindo saltar na altura do embate.
Pedro Figueiredo, que há cerca de duas semanas pediu uma licença de trinta dias, alegadamente por causa do processo de nomeação do novo comandante, continuava, apesar disso, a trabalhar diariamente no combate aos incêndios.
Na mesma tarde em que o distrito de Aveiro registou seis incêndios com gravidade, um bombeiro de Esmoriz, Ovar, ficou ferido no combate a um fogo em Maceda. Em dia negro para os bombeiros do norte do distrito de Aveiro, os bombeiros de Esmoriz perderam ainda uma viatura que foi totalmente “engolida” pelas chamas quando defendia algumas habitações que estavam a ser ameaçadas.

Pedro Figueiredo, um amigo

Pedro Figueiredo, é muito mais que um bombeiro. É um amigo. O Pedro, com bloco de notas na mão, a controlar tudo, ou com os rádios a ouvir e tentar distribuir os meios, nunca deixa de ter o seu sorriso e uma simpatia impar. Amável, sempre prestável, e com um trato pessoal acima da média, vive os bombeiros.
Quem o conhece, sabe que se trata de alguém com grande valor e que elegeu o voluntariado como uma missão, em que o lema é servir, e nunca servir-se. O Pedro foi o primeiro a saber que eu iria ficar sem emprego, porque o COMÉRCIO ia fechar. Eu estava com ele a tomar café quando essa notícia me chegou. Lamentou, como amigo, o que me estava a acontecer, mas lembrou-me que a fé deve acompanhar-nos sempre, e que atrás de uma montanha está logo outra. Agora é a minha vez de lhe dizer o mesmo: Força, e volta depressa.
Ao Pedro, de quem sou particular amigo, e aos outros bombeiros, os votos de um rápido restabelecimento, porque os soldados da paz precisam de homens como eles.
À família da vítima mortal, os sentidos pêsames, e a certeza de que partiu um herói, porque é isso que são os bombeiros: Verdadeiros heróis.