O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

quarta-feira, agosto 03, 2005

O Segredo... Para quem não entendeu nada

Meus caros amigos,

Estive até hoje decidido a não escrever neste blog. As
despedidas custam-me sempre muito e, se calhar
cobardemente, andei estes últimos dias a pensar que
escrever no blog do Comércio ia ser mais doloroso para
mim. Hoje, porém, decidi-me. E aqui estou, à 1h20 da
madrugada, cedendo à irresistível vontade de mostrar
que o Comércio é muito mais do que um jornal.

Li hoje no blog A Baixa do Porto, que colaborou
connosco, críticas ao "choradinho" em que se
transformou o blog do Comércio. E então decidi. É
desta que eu escrevo, porque afinal há quem não tenha
entendido nada... Rigorosamente nada!

Sabem por que razão continuamos a chorar pelo
Comércio? Sabem por que nos é irresistível vir aqui
deixar o nosso testemunho? Se desconhecem a resposta é
porque não descobriram o nosso segredo. O segredo de
um jornal e de uma redacção que foi muito mais do que
um local de trabalho.

AMIZADE. Uma profunda amizade. Uma família. Foi, é e
será este o nosso segredo. Quando chorei, na passada
sexta-feira, não foi só porque fiquei sem emprego. Não
foi só porque o Comércio acabou (será que acabou
mesmo?...). Foi, sobretudo, porque não quero perder os
amigos que ali ganhei.

Em primeiro lugar, desculpem-me os restantes, chorei
porque queria continuar a trabalhar e a fazer equipa
com o meu IRMÃO, o António Barroso, com quem partilho,
há sei lá quantos anos, uma amizade mais forte do que
qualquer laço de sangue.

Chorei porque sei que vou ter - já tenho, e muitas...
- saudades de trabalhar com a malta do Grande Porto.
Com a Ana Cristina Gomes, a Patrícia Carvalho, a Ana
Trocado Marques, a Manuela Pinto, a Jennifer Mota, a
Sofia Pacheco, a Ana Isabel Pereira, a Bárbara Soares,
a Lígia Candeias (a menina dos olhos de lua...), o Zé
Carlos Gomes, a Márcia Vara, o Tiago Reis, a Paula
Mourão Gonçalves (minha querida amiga).

Chorei porque foi ficar mais longe da malta do
Desporto, com quem tinha trabalhado. E vou continuar a
chorar porque vou ficar mais longe ainda da Fernanda
Rossi que, embora do outro lado do Atlântico, ficará
aqui bem guardada no meu coração.

Chorei porque o encerramento do jornal me afasta
(afastará?...) de gente como o grande Maurício (amigo
do peito), a Salomé, o Neves, o Azeredo, a Marta, o
Ferrari, o Pedro Cunha, o Paquito, o Vítor Santos, o
Vitinho, o Vinha, o Tiago (que um dia caiu no lago dos
patos...), a Mónica (as duas...), a Susana Ribeiro, e
tantos outros amigos.

Chorei (ainda choro) porque foi aqui que me cruzei com
o António Soares e o Paulo Ferreira.

Chorei porque foi aqui que descobri e passei a admirar
profundamente um jornalista e um homem fantástico
chamado Carlos Pereira Santos, com quem eu até nem
simpatizava muito (não sabias esta, pois não?...). Um
senhor e um amigo a quem repito "Obrigado!".

Chorei porque não vou continuar a trabalhar com o Rui
Reisinho, um amigo maravilhoso que me faz
desdramatizar todos os meus problemas banais.

Chorei porque estava a aprender muito com o Rogério
Gomes.

É tudo uma pieguice? Seja! Mas, para quem não sabe, é
tão bom ter AMIGOS.

Pedro Bessa

14 Comments:

  • At 03 agosto, 2005 11:58, Blogger Guilherme Soares said…

    Assino por baixo, Bessa.Quem ainda não percebeu este blog e faz propostas para que se torne um jornal on-line e dá "dicas" fantásticas para nós cooperarmos com a redacção da Capital (!!!) não percebeu e evidentemente não vai perceber.
    Um abraço do lagartinho.

     
  • At 03 agosto, 2005 12:04, Blogger Francisco Manuel said…

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

     
  • At 03 agosto, 2005 12:10, Blogger Francisco Manuel said…

    Chefinho:

    Esse era um segredo, que muitos não compreendem, nem compreenderão, porque se deixaram absorver pelo mundo robotizado em que se transformou a nossa sociedade.
    Tu, foste dos poucos que se dignou a dizer-nos algo - ainda que por SMS, porque seu não dava para mais, dado o teu estado de espírito - a nós correspondentes, cachorros sem mato, perdidos, sem um ombro onde carpir a nossa mágoa.
    Conta sempre com este teu amigo, acredita que é verdade.
    Já agora descança que, pelo menos nos próximos tempos, não te irei acordar mais, a perguntar se devo, ou não levar o Lume Felix comigo para um qualquer desastre, manifestação, ou tragédia.
    Amigo, caneta ao alto, porque homens como tu, encaixam em qualquer lugar, e o jornalismo precisa de ti.

    Ao também amigo Guilherme, não posso esquecer o congresso do PSD em Oliveira de Azeméis, onde, penso, sob a liderança do, para mim grande ,mestre, Paulo Neves mostramos que sabiamos trabalhar.
    Venha o próximo congresso, seja ele de quem for.

     
  • At 03 agosto, 2005 12:19, Blogger Guilherme Soares said…

    É verdade, Francisco. Jantamos um cachorro qq numa das noites. Trabalhamos mt bem, sem dúvida. E sob a orientação do meu chefe, o senhor Paulo neves, aqui e além injustiçado graças ao seu feitio, mas um grande jornalista, com o qual aprendi muito. E vou continuar a aprender, ou vaia aceitar a proposta do New York Times, Neves?

     
  • At 03 agosto, 2005 12:37, Blogger TAF said…

    Caro Pedro Bessa

    O que eu continuo a não perceber é por que razão abandonam uma possibilidade ímpar de continuar o trabalho que estavam a fazer, mantendo parte significativa da equipa, e preferem o "choradinho".

    Em vez de ceder à emoção da perda que se avizinha, era preferível evitar a perda!
    Em vez de desistir e partir para outra, era preferível trabalhar para criar um projecto viável.
    Em vez de ir cada um para seu lado, era preferível juntarem esforços e produzirem resultados positivos.

    Entre lágrimas ou trabalho, eu escolho o trabalho. ;-)

     
  • At 03 agosto, 2005 13:00, Blogger TAF said…

    Já agora, Guilherme, por que razão era má ideia colaborar com os jornalistas da Capital, neste momento tal como vocês sem nada para fazer? São maus jornalistas? Estão demasiado longe? Só sabem escrever notícias que não interessam aos leitores?

     
  • At 03 agosto, 2005 15:06, Blogger Guilherme Soares said…

    Não, Taf. O que se passa aqui é que o Taf não está a perceber o que se passa. O que é natural, porque não era jornalista nem do COMÉRCIO nem da Capital. O que não é natural e começa a ser pouco suportável é a sua tendência para esses conselhos e "dicas". Mas porque raio julga ter razão?!?

     
  • At 03 agosto, 2005 16:41, Blogger ruca said…

    Bessinha,
    Lembro-me agora dos teus disparatados truques de magia. Lembro-me daquele em que amachucas um papel e o fazes desaparecer, atirando-o, simplesmente, para trás das costas. Ou ainda aquele, em que apagas a chama de um isqueiro com um sopro. Números tão tontos quanto divertidos. São honestos! Sinto que o que fizeram ao teu (vosso) Comércio foi precisamente o contrário: apagaram-no aos olhos de todos mas agora ninguém lhe conhece o paradeiro. Já sinto saudades de te ler, de ler a Paulinha, de ler o Barroso, de ler a Susana, de ler a João, de ler o Maurício. De vos ler. Fiz o presépio às vossas custas, estive para comprar o serviço de louça branca, ri-me com a ideia dos sacos-cama e dos coletes com rádio do FCP, conheço quem coleccionou os postais e li o mais recente caderno de aniversário. Por vocês, era a minha primeira leitura. A vocês prometo a minha fidelidade. Espero-vos.
    Rute Marinho

     
  • At 03 agosto, 2005 17:52, Blogger Juanita said…

    querida rute, que saudades!!!! beijinhos* sei que estás nesta luta connosco:)

     
  • At 03 agosto, 2005 19:53, Blogger SusanaRibeiro said…

    Olha... só faltavas mesmo tu Rute para me fazer ficar com a lágrima no canto do olho.
    Obrigada amiga

     
  • At 04 agosto, 2005 02:40, Blogger João Luís C. Costa said…

    É curioso como estava a ler o teu post por aí abaixo e estava a pensar à medida que iam passando os nomes ... e o Pedro ? Este tipo está a esquecer-se do Pedro ...!
    Afinal eras tu !
    Eh pá, mantenham-se unidos na procura duma solução.
    Nós somos leitores, só vocês podem fazer alguma coisa !
    Concordo com o post do Guilherme Soares: o TAF está de fora e a proposta apresentada é uma alternativa mas não é aquilo que pretendemos, não é o Comércio do Porto e depois de sexta-feira só a paixão pelo Comércio para dobrar este Cabo das Tormentas.
    É piegas sim, pode até ser mas no fim, se voltarmos a ler o Comércio podem encher o peito e dizer: Lutámos por ele !
    Não foi primeiro a paixão pelo que é nosso que nos uniu para salvar o Coliseu. É essa força que nos impele para a frente !
    São 151 anos de história. Vocês já viram a quantidade de pessoas que lêem este Blog ?
    Um abraço a ti Pedro e à equipa do Comércio do Porto

     
  • At 04 agosto, 2005 12:37, Blogger António Barroso said…

    Irmão, continuo a acreditar que um dia vamos estar num areal que até pode ser das Caraíbas, a gozar o sol e as piñas coladas, e a lembarmo-nos destes tempos todos que partilhámos. Eu sei que vai correr tudo bem. Independentemente do que nos tiram ou dão, tu sabes o que conseguimos até aqui e a força que teremos daqui para a frente. Força e honra. Aí somos imbatíveis.

     
  • At 04 agosto, 2005 13:02, Blogger Fernanda Rossi said…

    Eu que achava que já não tinha mais lágrimas... Obrigada pelo carinho Bessinha. Ainda vamos nos ver muitas vezes.

     
  • At 04 agosto, 2005 17:52, Blogger Miguel Vieira said…

    Segredo: eu também já colaborei com o Comércio, e foi com um grande prazer. Até hoje só sabiam os meus amigos, os mesmos que fazem parte de uma lista restrita de pessoas que adoro. Não preciso de vos dar força, porque sei que vocês têm, e mais do que eu... Vou continuar sempre do vosso lado

     

Enviar um comentário

<< Home