O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

segunda-feira, agosto 15, 2005

Férias forçadas... e difíceis

Desde que comecei a trabalhar e a poder não depender dos outros (leia-se da família) para escolher a época de férias, aboli Agosto do meu calendário: é tudo mais caro, está tudo cheio de gente, é mais difícil encontrar lugar para estacionar, há mais automóveis nas estradas, as esplanadas ficam cheias de gente, é preciso chegar cedo para ter lugar no restaurante, enfim.
Este ano vi-me forçada a gozar férias em Agosto. Verdade seja dita que, em Agosto, com este calor, o que apetece mesmo são férias, na versão sol-praia-mar-noites na esplanada, etc, etc. Mas em Vila Praia de Âncora, onde tenho a família a banhos, estas férias estão quase transformadas em pesadelo. Há carros por todo o lado - na estrada, nos cruzamentos, a querer fazer as manobras mais impensáveis, carros a circular a passo de caracol, encostados na berma para fazer de conta que querem deixar passar, carros em todo lado, até na praia, onde quem chega depois das 15h30 arrisca-se a ter de fazer meia-volta e voltar para trás.
Com as praias tão cheias, o difícil mesmo é conseguir retirar da praia aquilo que é suposto ela nos dar - descanso. É que é difícil descansar no meio das bolas que não páram de saltitar ao nosso lado, ao lado de grupos de adolescentes que falam alto e não dizem coisa com coisa, ao lado de crianças que gritam e choram, de pais que gritam e batem, de pais que se irritam atormentados pela irritação das crianças. Tomar banho, então, é uma autêntica aventura. Não basta a água estar fria, agora também está lotada: miúdos a brincar com pranchas, miúdos a correr, miúdos a saltitar, homens a fazer que jogam à bola, casais a tentar jogar ténis, uma autêntica multidão de gente que não aguenta o calor e se concentra à beira-mar, a fazer tudo e coisa nenhuma, a tornar completamente impossível circular sem tropeçar, sem desviar, sem arriscar uma bolada em cheio.
As esplanadas estão cheias - de Viana a Moledo, pelo menos -, os bares estão cheios, até os cafés ficam cheios até altas horas da noite.
Para cúmulo, esta parte de Vila Praia de Âncora, que prima pelo sossego (só pelo nome - Âncora Igreja - dá para perceber o espírito da coisa), anda, por estes dias, agitada com as Festas de Nossa Senhora da Assunção. O problema nem foram as duas noites de baile, que hoje acabou às 2h da manhã. O problema é que, de manhã, a música começa bem cedo, como se esta gente de trabalho não fosse gente de dormir. E a música ouve-se em todo o lado porque é debitada em altifalantes espalhados por todo o lado. Começa logo cedo - quase posso jurar que hoje começou antes das 10h - e prolonga-se até à hora de jantar. Amanhã, dia feriado, traz brinde: para além da música, haverá também transmissão da missa, após o que regressará a música, até à hora do leilão.

Ana Cristina Gomes