O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

terça-feira, agosto 02, 2005

Foi para mim, mas é para todos

Camaradas:

Desculpem, mas não podia deixar de publicar um email que recebi esta tarde e que não é só para mim. Não revelo o nome da pessoa, porque não lhe pedi autorização para o fazer e o seu trabalho numa instituição pública podia ser afectado.

Caro amigo Francisco,



Compreendo a mágoa e a revolta de quem há muito trabalha(va) para o diário mais antigo do Continente. A última edição d’ “O Comércio do Porto”, sendo triste, é verdadeiramente prodigiosa em termos de profissionalismo. O mais curioso é que a jornada finda quando o periódico estava em notório índice de crescimento de qualidade, ao nível dos conteúdos noticiosos. Há por certo muita coisa por revelar e explicar. Fica uma palavra de apreço e solidariedade. E faço votos para que o futuro próximo lhe (“te”, sempre fica melhor ainda!) reserve melhores dias. Esperemos que “a via da cooperativa” possa vir a concretizar-se a bem do jornal, dos que lá trabalham, e dos que indirecta ou directamente beneficiam do vosso labor, como é o meu caso. Isto para além da amizade sincera que nutro para com alguns jornalistas e colaboradores (alguns colegas ou companheiros da ESJ do Porto), como são os casos do Rui Azeredo, do Ferraz, da Arminda Rosa Pereira, do Anastácio, isto só para citar alguns. Prefiro acreditar que os predadores neoliberais nem sempre consigam os seus intentos…



Nota: como a vida tem de continuar, envio uma nota de imprensa…



Um abraço,