O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

sexta-feira, agosto 12, 2005

Estou a estranhar este silêncio no blog...

Será que estão todos em retiro espiritual para se prepararem para a jantarada de logo? Não havia necessidade!

De qualquer das formas, quero dizer-vos que, com imensa pena minha, não poderei estar presente. Como alguns do vocês sabem sou uma rapariga madrugadora - não porque isso me dê especial prazer mas porque a rádio a isso me obriga - e não posso dar-me ao luxo de andar em jantaradas e borgas durante a semana.

Ainda por cima em jantaradas que ficam a uns 80 a 90 quilómetros de distância! No entanto, já enviei pelo José Vinha um grande abraço para todos. Espero que ele o entregue. Votos de um bom repasto.

Até breve
Maria José Santana

3 Comments:

  • At 12 agosto, 2005 16:58, Blogger bsoares said…

    Tens razão, maria. Ontem nem parecia o blog do Comércio. A jantarada lá correu...um abraço,
    Bárbara

     
  • At 14 agosto, 2005 09:43, Blogger josevinha said…

    ei pá, não confias em mim. Disse-te que dava beijinhos e abraços ao pessoal todo e dei. bjs jose vinha

     
  • At 14 agosto, 2005 20:29, Blogger António Sousa Pereira said…

    Caríssimos:
    Apartir dee hoje (dia 14 de Agosto), enviarei diariamente um texto sobre o Porto para "alimentar" uma rúbrica, se assim o entenderdes, intitulada "Cinco Minutos de Leitura". Trata-se de uma deambulação pela Cidade do Porto, em difrentes épocas, sendo os textos (ou excertos) da autoria de autores consagrados. Já segiu o primeiro da autoria de José Rodrigues Miguéis.
    Esta rúbrica constitiu, também, um humilde contributo para que o Dr. Rui Rio aprenda a Cidade que tão mal tratou durante quatro anos de mandato camarário. Resta-me a dúvida se ele apenas saberá ler algarismos (algarismos, não números que isso é mais complicado) dada a sua condição de guarda-livros (que não de leitura), ou se saberá ler algumas frases. Veremos. Fico com a certeza do interesse de alguns leitores. É quanto basta
    António Sousa Pereira

    Já agora não seria mau que a Prensa Ibérica se lembrasse de alguns colaboradores, nomeadamente os que fizeram investigação e pesquisa histórica, com trabalho apresentado, editado e publicado

     

Enviar um comentário

<< Home