O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

segunda-feira, agosto 15, 2005

Cinco minutos de leitura - Luís Veiga Leitão

Por António Sousa Pereira

Porto
Luís Veiga Leitão

A cidade equestre
No rio mergulha
Seus cascos de granito
E sobe
A galope
Encosta arriba

Num salto a prumo
(Lá onde o casario morre)
Upa!
É uma torre

Torre de pedra e nuvem
De pássaros de fogo
De corpo de mulher
Torre de tudo e de quanto
O sonho a palavra o canto
Pode e quer


Luís Veiga Leitão
Pseudónimo de Luís Maria Leitão, nasceu em Moimenta da Beira a 27 de maio de 1912. Faleceu durante uma visita ao Brasil, em Niterói, a 9 de Outubro de 1987.
Da sua autobiografia: “Ainda estudante, fez parte do movimento que visava a criação de uma universidade livre. O ascenso do fascismo, no princípio da década de 30, impediu a sua realização. Dois anos depois sofreu a prisão política na fortaleza de Caxias. Durante o cárcere, escreveu mentalmente algumas composições que, três anos após, formaram “Noite de Pedra”, apreendido pela censura. (...).
Em meados de 1967 radicou-se no Brasil – Rio de janeiro e Niterói. Múltiplas foram as suas actividades neste País.. (...). Antes do seu regresso definitivo a Portugal, em 1976, autografou, no Rio de Janeiro e em Niterói, o “Livro de Andar e Ver” ” (cuja reedição urge fazer).
A quem pretender saber mais sobre Luís Veiga Leitão, um dos grandes escritores portugueses do século XX, recomenda-se a leitura da sua “Obra Completa”, organizada por Luís Adriano Carlos e Paula Monteiro, edição “Campo das Letras”. Vale a pena e não é cara.