O Comércio do Porto

Num período em que deixou de haver papel para a tinta correr, os jornalistas e demais trabalhadores de O COMÉRCIO DO PORTO encontram neste espaço a via para o exterior, por forma a manter viva a alma do jornal mais antigo de Portugal continental. Envie as suas mensagens para comercio151@hotmail.com

segunda-feira, agosto 01, 2005

As coisas de que vou ter saudades... e outras de que já tenho

Vou ter saudades de partilhar a mesa com a Ana. Quando descemos para o primeiro andar, resmungamos - à boa maneira das Ilhas de Resistência -, pelo pouco espaço que nos era dado. Nem a uma secretária tínhamos direito, apenas a meia mesa. Os telefones estão colados uns aos outros e os montes de papel acumulam-se em altura porque não há mais por onde se espraiarem. Mas o espaço deixou de ser problema num instante. Coubemos todos, coube tudo, trabalhou-se na mesma. Acabei a partilhar até hoje a mesa com a Ana que tem organizados todos os dossiers da Câmara do Porto (a nossa maior paragem nos últimos anos) e sabe sempre o nome do director de serviço que me dá jeito conhecer. Vou ter saudades de ouvir as respostas dela às minhas perguntas constantes. E já tenho muitas, muitas saudades das gargalhadas estrondosas dela, porque há muito tempo que não as ouço. Ela tem andado tão tristinha...
Vou ter saudades do ar de mãezinha de nós todos da Cristina, dos bolos da Manela, da doçura da Marlene, do ar sempre sereno da Lígia, das perguntas da Ana Isabel, da casmurrice do Jorga e de chatear o Tiago. E de chatear o Bessa. E de chatear o Barroso. E de chatear o Vinha.
E já tenho saudades, porque há muito tempo não acontece, de ir para casa de autocarro com o Miranda. E de ele bater com a língua no céu da boca, naquele trejeito que lhe é tão característico, e de dizer "ó rapariga, tu foste das melhores coisinhas que apareceu por aqui nos últimos tempos". Porque eu ficava toda babada. Porque o Miranda é o Miranda, uma instituição em si só, e quando ele fala a gente tem que acreditar que está a falar verdade.
E já tenho saudades da Natália, da forma como ela se sentava à minha frente, no 6º andar, e de nos entendermos sempre, mesmo quando não concordávamos. E já tenho saudades da Dora mandar um mail a avisar, Meninas, há um telex. E lá íamos nós rir à gargalhada com as Bermudas, porque a Dora é uma Produções Fictícias num só. E tenho saudades de outras coisas, mas por enquanto já chega.

5 Comments:

  • At 01 agosto, 2005 12:51, Anonymous Anónimo said…

    Melga, afinal eras uma melga!

    :) Mas não chateavas assim tanto...
    AB

     
  • At 01 agosto, 2005 12:55, Anonymous dora mota said…

    E é mesmo bom vermos que temos matéria que gera saudades. Isso ninguém nos tira e dessa massa nos fizemos amigos.

     
  • At 01 agosto, 2005 13:26, Anonymous ARDINA said…

    Como é? este blog o que é? para noticias ou é um blog do tipo "recordar é viver"??? vá lá saiam noticias, reportagens textos ...tudo!! aqui voçês são livres de fazer o jornalismo que querem ! dizer o que querem quando querem a quem querem e como querem !!! foda-se! isto pode ser dos melhores blogs que há"!!!!

     
  • At 01 agosto, 2005 13:34, Blogger Ricardo Salazar said…

    Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

     
  • At 01 agosto, 2005 13:38, Blogger Ricardo Salazar said…

    Ricardo Salazar said...
    Como cantava o João Gilberto "chega de tristeza"...

    Saudades é passado que é bom recordar e ninguém vos pode tirar isso.

    És uma excelente Jornalista e isso é futuro.

    Força, Patricia e boa sorte.

     

Enviar um comentário

<< Home